quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Resoluções de Ano Novo...

Normalmente as minhas resoluções de Ano Novo são não fazer mais resoluções de Ano Novo. Só que como 2008 foi um ano que, basicamente, me virou as costas, em 2009 não vou deixar que os mesmo erros se repitam; por isso cá vai:
- Vou começar a devolver o desprezo que uma certa pessoa me tem dado, esquecendo por completo tudo o que passou comigo. Sim esta é para ti. A partir de agora quando pensares em me falar, vai antes ver como é bonito um comboio de frente e em andamento.
- Dar mais atenção, mais amor, mais presença, mais de mim, a quem merece. E vou tentar não me stressar tanto (Renato, esta alínea foi para ti ^^ amo-te).
- Fazer um esforço extra (sopas depois de almoço fazem azia) para passar a todas as cadeiras e, assim, quebrar a profecia do Oráculo (*medo*), segundo a qual eu não ia atingir profissionalmente os meus objectivos. A ver vamos!!
- Escolher melhor os meus amigos. Passar mais tempo com os verdadeiros amigos e “cda” para quem não vale a pena. O meu tempo vai ser precioso demais para me enervar com gente dessa.
- Ganhar umas noções de VCD nas horas vagas. Nunca se sabe.
- Tentar – e conseguir – andar para a frente com o projecto de moda e acessórios. Pxxxxiu, é segredo dos Deuses ainda.

- Último, mas não menos importante... Olhar cada dia como um novo dia, independentemente do que se tenha passado. Isso, já passou, por isso chama-se Passado. Talvez assim limpe de vez o mau Karma que me tem assolado.

Foi mais ou menos assim a lista de resoluções que escrevi num papel arrancado à pressa do meu caderno, ontem, de madrugada. Vou fazer por cumpri-las a todas. Principalmente a primeira. A partir da meia-noite, morreste-me.

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Hoje

Porque eu sei que existir ao pé de ti é bem melhor,
Eu sei que depois da tempestade vem azul,
Eu já sei de cor o espaço do teu corpo para mim...

sábado, 27 de dezembro de 2008

Preciso que sejas o apoio das viúvas e dos sobreviventes,
Preciso que sejas corajoso como os novos pais e mães,
Preciso que sejas a esperança de quem perdeu o verdadeiro amor,
Preciso que sejas o poder de um primeiro beijo.
Preciso de um objectivo, preciso de uma razão,
Preciso de saber que existe significado
Para tudo o que perdemos, tudo o que lutamos,
Para as nossas paixões e as nossas batalhas.


Continua a respirar.
Continua a viver.
Continua a procurar.
Continua a lutar.
Continua a sangrar.
Continua a curar-te.
Continua a desvanecer-te.
Continua a brilhar.
Pelos corações que ainda batem...




Letra de Converge, adaptada por Sara Pereira





sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Conhecem o Amor?

Conhecem o amor?
Queimei-o ali fora.
Sim, queimei-o comigo.
Nada resta dele senão
Um fumo com cheiro diferente.

Ai, ainda ouço aquele gato.
O seu ronronar, será o som
Do seu amor? Da sua maneira
De sentir? É apenas
O seu agrado.

O que será o amor que não o agrado,
Um agrado apenas.

Uma camisola de malha, quentinha.
Ah que conforto que sentimos
Com ela vestida.
Mas é apenas uma camisola de malha
Que se desfia, que perde a cor.

É a vida com amor.

Tiago Rovisco

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Feliz Ah e Tal!!

Escrever sobre "esta quadra"... é sempre algo complicado para quem nunca a viveu com o coração.
Muito em parte, porque o Natal nunca foi uma época de alegria-e-amor para mim. Porque desde muito cedo me via dividida e com o desejo de me dividir em duas por ter de num ano passar a Consoada com o pai e o dia de Natal com a mãe e trocar no ano seguinte (...); porque agora, que dei "o grito do Ipiranga" e deixei de ir passar o Natal à outra margem do Tejo vejo-me a passá-lo sozinha com a minha mãe enquanto o David vai para casa do pai e a Diana vai para casa do pai dela. Porque, simplesmente, não gosto do consumismo desenfreado, da obrigação de dar prendas, de roer a cabeça a pensar no que dar àquela pessoa e ter vontade de bater com a mão na testa ao pensar coisas do tipo "este ano não dou nada à pessoa de tal porque no ano passado se esqueceu de mim". Eu não sou isso!
O Natal é só mais uma festa de aniversário pontuada pela 100ª vez que passa o "Sozinho em Casa" acompanhada por um alguidar de pipocas e pela inquietude da pequena em querer abrir as prendas antes do tempo (sim, que este Natal, finalmente, estamos todos juntos). É só um dia em que se comem mais guloseimas...
Porque acho que os bacalhaus, que estão em vias de extinção, os perus, que são estúpidos mas também têm direito à vida e os borregos, que são crianças de carneiro, não têm culpa d'O Grandíssimo (não confundir com o "grandessíssimo", que esse há dias... ia levando com o sapatinho!) ter nascido, mas são os que pagam as favas, do Bolo Rei ou outras...

Publicado em simultâneo em http://otariosopinativos.blogspot.com
Escrito na última aula da unidade curricular de Escrita Criativa (com alterações).

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

II

Desde aquela tarde, envolta em medo quase pânico, dois meses hoje se passam. Duas luas novas, que assinalaram um novo início. Contigo.
Muitas vezes não te dei o devido valor, muitas vezes me esqueci de te agradecer tudo o que és, muitas vezes... muitas vezes, demasiadas. Mas aos poucos, fui-me apercebendo que és tanto, és tudo. Sem comparações. Sem olhar para trás. Sem medos.
Amo-te. Parabéns <3

sábado, 20 de dezembro de 2008

Basta-me saber que há sempre alguém a lutar contra a corrente para me
apetecer saltar, ir a nado ao lado dele, derretendo com o olhar todos os muros
de gelo e não consigo descansar enquanto não alcanço uma nova
nascente...

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Banda sonora da minha vida.

1. Abre o teu leitor de música e selecciona o modo aleatório
2. Carrega play
3. Para cada questão, escreve a música que está a dar
4. Passando a uma nova questão, passa a música para a seguinte



Créditos de Abertura: KeeN, Anthem of a Little Child
Acordar: Ludwig Van Beethoven, The Ninth Symphony, 2nd Movement
Primeiro dia de escola: Tenebrarvm, Requiem on Vast
Apaixonando-se: Corvos, Love Her Madly
Briga: Depeche Mode, The Sinner in Me
Acabando: Sigur Ròs, (Bamm Bamm Bamm)
Baile de Finalistas: Pink Floyd, Comfortably Numb
Vida: Moonspell, Handmade God
Depressão: The Arcade Fire, Wake Up
Conduzindo: The Angelic Process, World Deafening Eclipse
Flashback: Blasted Mechanism, What is All About
Reencontro: Paradise Lost, For Ever After
Casamento: The Karelia, The Infinite Duration
Nascimento de uma criança: Agua de Annique, Witnesses
Combate final: Astrix, Global Playboys
Morte: Assemblent, Fears
Funeral: Foo Fighters, Tired of You
Créditos Finais: Oasis, Going Nowhere

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Quando eu pensava que ele tecia sonhos, teceu o maior pesadelo pelo qual passei. E ainda passo. Teceu falsas cordas que eu pensava que me estavam a prender à felicidade momentânea de o ter. Falsas cordas que depois se desfizeram como quem acorda numa segunda feira de sol e diz, simplesmente "sai, acabou". Falsas cordas que um dia me içaram para cima e, desfazendo-se, me deixaram cair no abismo... Menos uma. Sobrou uma corda, que foi a única que o tecedeiro de pesadelos e angústias e ingratidões e falsidade e falsos sorrisos e podridão interior, a única que não se desfez, a única que não foi ele que teceu e me amarrou. Que foi a única corda que me amparou a queda que se avizinhava fatal.
Agora, é essa corda, frágil, que me prende a tudo. Quase como os cordéis de uma marioneta, essa corda puxa-me o diafragma para que eu respire.

Não deixes que se parta...


Edit: Mensagem 200. Weehee.

São momentos assim que me fazem pensar que realmente um dia vou conseguir ser feliz. Que lágrimas como as que já me fizeram chorar, mais dia, menos dia vão secar de vez. São dias como estes últimos que me fazem compreender que um sorriso custa menos a esboçar que uma cara feia.
Continuo a ter dias difíceis de superar. Continuo a ter lágrimas cáusticas cá dentro, continuo, muitas, tantas, demasiadas vezes, a pensar nos "e ses" da vida, a pensar em alguém que, se calhar, teria sido muito melhor que não tivesse existido. Mas contigo por perto, é tudo mais simples, é mais fácil de olhar em frente em vez de olhar para os pés, de sorrir...
____________________________________
Apoxima-se, a passos muito largos, o final de mais um semestre e o final dos prazos dos trabalhos... E estou assustada. Sei que este semestre não vai ser, em nada, semelhante aos dois anteriores, em que tudo se fez com calma e sem preocupações... Mas afinal o que me falta? O que mudou (pergunta... enfim)? Mudou que sou outra pessoa. Mudou que nem sempre consigo ter ânimo para abrir os olhos de manhã, vestir qualquer coisa à pressa, passar os dedos pelo cabelo à laia de escova, engolir qualquer coisa à pressa e seguir para a escola onde já me esperas. Falta qualquer coisa. Mas mesmo assim, vou buscar forças naquilo que me dizes e que me fazes sentir. E abro os olhos para outro dia de trabalho árduo, de sobe-escadas-desce-escadas, de aulas sem interesse, de professores aguados, de encontrar quem não devia nunca ter encontrado pelos corredores da escola, de chegar a casa e jantar à pressa para voltar para mais um infinito trabalho de grupo e voltar a casa, dormir horas que não são nunca suficientes e recomeçar tudo de novo...

Mas quando é que todo este inferno acaba?

Já não tenho medos... Mas continuo com angústias que não vão sair de mim.

Não sou a mesma. Nunca vou voltar a ser a mesma.

Mas, mesmo assim, agradeço a quem nunca devia ter existido o facto de ter, realmente existido. Obrigada pelo mal todo que me fizeste. Tornaste-me uma pessoa amarga, mas forte. Deprimida, mas lutadora. Que se deixou pisar mas que, um dia, há de triunfar e sorrir sobre ti.

E agradeço-te a ti, que não exististe desde sempre mas existes agora. Que tens sido mais do que alguma vez imaginei que pudessem ser para mim, que me deixaste tantas vezes chorar no teu colo, que tantas vezes me abraçaste quando eu só pedia um pouco de doçura na vida, que foste mesmo lá abaixo para me ir buscar, que desceste comigo ao mais fundo dos infernos que a minha mente pôde criar e que, comigo, voltaste para contar a história ou enterrá-la para sempre. Por agora coexistires com quem eu me tornei, por me fazeres ainda mais forte, mais lutadora e mais triunfante.

E embora não possa ainda sorrir de alto a quem me matou, sorrio. Sorrio sempre.

domingo, 14 de dezembro de 2008

Novo blog

Criei um novo blog. Porém - e atenção! - vou manter este, com a mesma "linha editorial". O outro, a que chamei "Otários Opinativos", será um blog dedicado a opinião pessoal. Passem por lá, deixem a vossa marca, opinem, sejam otários também :)

domingo, 7 de dezembro de 2008




Credits: Azuzephre//Jeff Thomas ( see...I didn't steal it... eh* )

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Tempo...

Hoje, que já estou tão cansada das palavras, há sempre tempo para mais umas contigo.
Há sempre tempo para mais uma tarde, caso tu o permitas... Há sempre tempo para mais um carinho num quarto emprestado, para um desabafo, para uma gargalhada, para desenhos rabiscados quando a aula é tudo menos onde queremos estar... Há sempre tempo para ti; para nós há sempre.

Há sempre tempo para mais um silêncio...

Então que o meu silêncio se expresse em gratidão pelo teu, que as minhas palavras te sejam de agrado pelas tuas, que os meus carinhos, embora que por vezes escassos, te sejam de conforto pelos teus...

Porque para amar-te há sempre tempo... Nem que seja quando não o sentes...

domingo, 30 de novembro de 2008

In the end, what remains is just silence...

Mãe, eu quero ficar sozinho. Mãe, não quero pensar mais. Mãe, eu quero morrer mãe. Eu quero desnascer, ir-me embora, sem sequer ter que me ir embora. Mãe, por favor, tudo menos a casa em vez de mim. Outro maldito que não sou senão este tempo que decorre entre fugir de me encontrar e de me encontrar fugindo, de quê mãe? Diz, são coisas que se me perguntem? Não pode haver razão para tanto sofrimento. E se inventássemos o mar de volta, e se inventássemos partir, para regressar? Partir e aí nessa viagem ressuscitar da morte às arrecuas que me deste. Partida para ganhar, partida de acordar, abrir os olhos, numa ânsia colectiva de tudo fecundar, terra, mar, mãe... Lembrar como o mar nos ensinava a sonhar alto, lembrar nota a nota o canto das sereias... Lembrar cada lágrima, cada abraço, cada morte, cada traição, partir aqui com a ciência toda do passado, partir, aqui, para ficar...

Crash! Boom! Bang!


sexta-feira, 28 de novembro de 2008


segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Katie Perry sez: You're so gay and you even don't like boys ^^
Kaiser Chiefs sez: Everyday I love you less and less; I can't believe that you and me did sex; It makes me sick of think of you undressed.


Por que é que estou com uma vontade tão grande de me rir?
















Quero uma sniper ^^

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Um rapaz acorda de manhã com uma machado cravado acima do joelho, na coxa. Mais de metade da lâmina encontra-se já dentro da carne; fora está o cabo do machado e pouco mais.


O rapaz queixa-se de dores. São fortes, mas não insuportáveis. Mantêm-se nesse nível constante, no limite do suportável.

Da perna sai um fio de sangue mínimo. Por onde o rapaz passa vai ficando um rasto vermelho no chão, como se ele quisesse recordar às pessoas que sofria no momento em que passara por ali.

O rapaz tentara já arrancar, com as suas próprias mãos, o machado da perna, mas a lâmina estava tão enterrada na sua carne que ele percebeu ser impossível.

Pediu depois aos amigos mais próximos e eles tentaram, mas a lâmina não se mexia nem um centímetro, parecendo por vezes que o metal pertencia já àquele corpo, como se fosse um novo órgão, uma nova articulação, um tendão ou um osso suplementar.

Foi pelo mundo à procura de alguém forte o suficiente para arrancar a lâmina da sua perna.

Encontrou homens fortes; eles tentaram, mas falharam. Tentou as tecnologias mais modernas; falharam também.

Havia já desistido. Sentado no chão, resignava-se àquela dor, que incomodava mas não o impedia de viver. E foi nesse momento que uma bela rapariga se aproximou dele e, sem uma palavra, retirou, suavemente - muito suavemente - o machado da perna, pousando-o depois sobre a erva.

Nessa mesma noite, ela tratou--lhe daquela ferida, que ele já desistira de ver curada; e a ferida cicatrizou com uma rapidez invulgar. O sangue parou de cair da perna em definitivo, e os dois dormiram juntos como só se costuma fazer atrás dos bastidores dos contos de fadas.

É esta a história.

Só falta dizer que, na manhã seguinte, o rapaz que finalmente se curara da ferida acordou morto.

Gonçalo M. Tavares



Foi este o conto que li, ontem, na revista de Domingo do Correio da Manhã; numa manhã de sol mas tão cinzenta como as nuvens que ainda tenho a obscurecer-me o ser. Também eu não passo de alguém com um machado cravado numa perna...

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Quem me leva os meus fantasmas?

Se ao menos eu não tivesse notícias dele, se ao menos não tivesse de o ver, se ao menos não me dissessem o que dizem, se ao menos ele continuasse a ser a mesma pessoa que eu um dia conheci numa mesa de esplanada, tímido e introvertido... seria muito mais fácil.

Espero bem que ponhas a mão na mente e vejas o que andas a fazer...


Obrigada por tudo, por te manteres do meu lado mesmo quando tudo é tão turbulento... ***-**

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Teve tudo para ser a tarde perfeita... Uma tarde em que corremos pela relva e pela vida, onde fomos tu e fui eu, transparência... Onde senti de novo a inocência que há muito não me habitava o peito, onde me senti feliz, onde te senti feliz.

Subitamente, veio o frio...

Arrefeceu por fora, mas por dentro uma luzinha muito ténue mantém-me quente...

Obrigada por tudo...

domingo, 2 de novembro de 2008

Maizum joguinho :D

Instruções:
--> Coloca isto no teu blog. Escolhe 5 pessoas. Pede a essas 5 pessoas para escolher um mínimo de uma música que as lembra da tua pessoa. Podes ou não postar aqui os resultados. Depois essas pessoas podem pôr isto no blog delas, e descobrir o que pensam os outros.

E os escolhidos são:
Erica (http://lephemeres.blogspot.com/)
Mafalda (http://salteidemim.blogspot.com/)
Renato (http://silentvoid-losthoughts.blogspot.com/)
Bruno (http://www.egoaselfportrait.blogspot.com/)
André (http://circonatureza.blogs.sapo.pt/)

Agora toca a comentar e a passar a palavra (estou para ver quantos alinham LOL)

Sometimes, when I look deep in your eyes I swear I can see your soul.

sábado, 1 de novembro de 2008

A little more.


quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Levou-nos até à praça e lançou o repto: escrevam sobre alguém do grupo, um "amigo secreto". "Nem apenas amigo, muito menos secreto", pensei, com um sorriso nos lábios mas a imaginar a dificuldade de descrever-te.
E o texto saiu. Devagar, mas saiu. Não foi nem de longe dos melhores que escrevi... é tão difícil descrever alguém que não tem descrição possível! Quero dizer, tem... mas as palavras falham :x

De qualquer modo ninguém ia acreditar que és alguém que procura, comigo, a nave de volta ao seu planeta...

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Depois do que vi hoje na aula de Audiovisual tenho certeza que não sou deste planeta... Aliás, eu não esperava que dois documentários mexessem tanto comigo. Já não estava nos meus dias, pior fiquei. E o que mais custa é que não dá para fugir. É o mundo que temos...







Obrigada por estares lá...

domingo, 26 de outubro de 2008

Mudanças...

Esta madrugada mudou a hora. Uma hora a mais no fim de semana já de si longo. O tempo demora àqueles que esperam por um tudo.



Chegou a altura do ano que em mim desperta mais sentimentos contraditórios. Ainda assim, gosto do Outono, pelas cores, pelo arrepio do vento fresco de manhã, por me sentir aconchegada na roupa de cama que já pesa. Mas por outro lado, anoitece tão cedo... a falta de sol torna-me melancólica...



Ainda assim... já tinha tantas saudades de sentir o restolhar das folhas debaixo dos pés, de olhar com ar matreiro os montes de folhas (ao mais puro estilo Calvin & Hobbes...), de assistir aos entardeceres na minha praça, com chá e livros...




Podia era haver mais sol... já agora, se não fosse pedir muito...

sábado, 25 de outubro de 2008

Eu não gosto de inquéritos xD

1. Escreve o teu nome ao contrário.
.araS

2. Finge que bebeste 15 cervejas. Descreve o que estarias a fazer agora?
A perguntar-me porque bebi eu 15 cervejas se detesto cerveja...

3. Onde estás agora?
Planeta Terra...

4. WHERE IS NUMBER 4?!
No dedo mindinho quando conto pelos dedos.

5. Falas contigo própria?
Muito. E respondo!

6. Bebes leite directamente do pacote?
Não :x

7. Quem sabe um segredo ou dois sobre ti?
Gente a mais.

8. Quão comprido é o teu cabelo?
Pelos ombros.

9. Quanto dinheiro tens?
Uns... 4€?

10. Descreve o que tens vestido.
Botas de pêlo, meias, calças de ganga, roupa interior, top às riscas e camisola de malha preta, lenço palestino ao pescoço.

12. Dizes asneiras ao insultar os teus pais?
Não.

13. Gostas/amas alguém neste momento?
:) nota-se muito?

14. Quando foi a última vez que mentiste?
Não sei, não me lembro e se menti foi mesmo sem querer.

16. O teu aniversário é num feriado?
Não :p

17. Em que é que gastas a maioria do teu dinheiro?
Livros, revistas, gomas, material para artesanato...

18. A última coisa que cozinhaste hoje?
Abri um iogurte, conta?

19. Dormiste a sesta hoje?
Não :x

20.O que é que estás a ouvir?
O exaustor da cozinha.

21. Último amigo com quem falaste?
Por telemóvel, o Tiago. Por msn, o Renato. Pessoalmente, o meu irmão :p

22. Porque é que o céu é azul?
Porque Deus é rapaz?

23. Qual é a primeira coisa que fazes quando acordas?
Esfregar os olhos...

24. Dizes muitas asneiras?
Não muito.

25. Onde te vês daqui a 10 anos?
De preferência no MEU planeta.

26. Alguns arrependimentos?
Ush... tantos...

27. Usas um despertador?
The Postal Service @ tlm

28. Quando foi a última vez que escovaste os dentes?
De manhã.

30. Qual é a primeira coisa que reparas no sexo oposto?
Os olhos.

31. Alguma vez finges que estás ao telefone ao andar pela rua?
Não LOL

32. Alguma vez foste suspensa?
Não.

34. Usas roupa-interior?
-.-'

35. Quem gostarias de ver agora?
Ele :)

36. Se visses uma velhinha que nunca viste, a carregar sacos da mercearia, ajudá-la-ias?
Depende...se ela não levasse nada que me pudesse arremessar, pensava no caso. Mas não é certo...

37. És uma pessoa social ou antissocial?
Sou antissocial, não gosto de pessoas.

38. Tens idade para votar?
Tenho mas não voto.

39. Tens um bronzeado?
Naturalíssimo!

40. O que é algo de que te arrependas?
Ter começado a falar com as pessoas erradas.

41. Qual é a tua pior memória da infância?
Algumas.

42. Em que escola andas?
N'ESTA

43. Que rádio ouves?
Antena 3

44. Quem foi o teu primeiro melhor amigo?
O "Guigo". E um amigo imaginário chamado Gonçalo.

45. Tens medo do escuro?
Às vezes.

47.Qual é a tua marca desportiva preferida?
Susana Gateira.

48. Qual é a tua música preferida?
Muitas. De momento Starálfur de Sigur Ròs.

49. Quem é o/a teu/tua professor(a) preferido este ano?
A Romana.

50. Qual é o teu desporto preferido?
Ninjutsu.


You make it easy to watch the world with love
You make it easy to let the past be done
You make it easy


Foto: Renato Lopes
Música: Air You Make it Easy

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Estes corredores estão diferentes... uma multidão de caloiros passa por mim, aos encontrões, mas não sinto nada. Uma multidão à minha frente e o corredor está vazio... Fecho os olhos, ainda sinto o teu toque como quando passamos numa teia-de-aranha e a sensação da teia colada à cara permanece, mesmo quando já a tirámos toda...

Caminho pelos corredores, pelo átrio, saio do edifício. Os baloiços. Vagueio, desorientada, como uma criança a quem mostraram um doce por pirraça e agora vai ter de esperar uns bons dias até lho darem... E o tempo não flui na sua normalidade, teima em não fluir como flui quando temos as mãos juntas... Esta cidade aperta-me, sinto-me fechada, tão claustrofóbica...



Sinto tanto, tanto dentro de uma pessoa tão pequenininha como eu...

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

:)

...

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Por fora nada terá mudado, mas algo dentro de mim ficou reduzido a cinzas e deixou de existir.Houve sangue derramado e, dentro de mim, algo morreu. Desapareceu de vez, de cabeça baixa, sem uma palavra. Há uma porta que se abre e uma que se fecha. Apaga-se a luz. Para mim, tal como sou agora, hoje é o último dia. Este é o meu último entardecer. Quando o novo dia nascer, eu, tal como sou agora, já não estarei aqui. Outra pessoa diferente habitará o meu corpo.
(...)
Porque será que andamos condenados a ser assim tão solitários? Qual a razão de tudo isto? Há tanta, tanta gente neste mundo, todos à espera de qualquer coisa uns dos outros, e, contudo, todos irremediavelmente afastados. Porquê? Continuará a Terra a girar unicamente para alimentar a solidão dos homens?
(...)
Fechei os olhos e prestei atenção para ver se conseguia ouvir os descendentes do Sputnik que continuavam a dar voltas à Terra, tendo como único elo de ligação ao planeta a gravidade. Solitários pedaços de metal que se encontram de repente nas trevas do espaço, cruzam-se no seu caminho e depois separam-se para sempre, sem trocarem uma palavra, sem trocarem uma promessa.

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Mas afinal quem és tu? Dizes que me afaste, e eu afastei-me... mas porque me olhas? Quem és tu, que me pedes para não te ver mas que continuas a a me atrair como um íman? Digo mil vezes, mil e uma, muitas vezes, que és apenas passado, um passado que não se prolongou mas que me feriu até hoje, uma ferida que va deixar marcas tão profundas como as que tens, mas porque é que eu desejo ainda que faças parte do presente?

Porque é que eu quero e não quero?

You don't have to tell me what you came for (yes I want it, I don't want it) Your eyes are drawing circles on the floor (yes I want it, I don't want it) The lack of oxygen makes my head spin yes I want it no I don't want it no...

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Sabes? Fazia hoje um ano. Não te lembras? Pois eu não vou esquecer nunca. Fazia hoje um ano, naquele lugar que em breve vai voltar a marcar a minha vida. Tudo começou e eu deixei-me ir. Fazia hoje um ano e nem sei se me queres ver...

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Espuma... ou as indefinições.

Tem alturas que me sinto como a espuma no topo do capuccino. Nem sólida, nem líquida, nem gasosa, não tenho um estado físico definido. Não é sólida que chegue para ser comida com aquele pauzinho que faz de colher, nem líquida que se beba de um trago, nem suficientemente gasosa para transformar o capuccino numa bebida com gás ou para simplesmente evaporar do copo.

Pois eu também tenho alturas em que não me sinto definida. Nem sólida que chegue para evitar que me marquem, nem líquida para me adaptar totalmente às situações. E quem me dera ser assim, leve, como uma atmosfera, para me elevar no ar, subir, subir e parar noutro lugar qualquer.

Acho que sou espuma, colada na chávena no fim do capuccino...


domingo, 12 de outubro de 2008

Look what they've done to my brains, 'ma!!

Esta apatia está a deixar-me meio alucinada...






Para não falar na ansiedade que chegue rápido quarta-feira... Roménia, Lituânia, Turquia? Os "deuses" não vão ser maus ao ponto de me deixarem ficar nesta terra onde até por ter de pensar em ir à escola me faz ficar doente...




Tenho os miolos todos enleados...

s


sábado, 11 de outubro de 2008

Tudo parece ter caído perante os meus pés. Um castelo de cartas no qual eu dei, sem querer, um toque ao leve mas que foi suficiente para deitar por terra tudo o que levou meses a construir. De modo irreversível? Muito possivelmente... Mas pode ser que nem tudo esteja perdido, apenas preciso ganhar forças, ter onde me agarrar, um passinho de cada vez, afinal nem as paredes do poço mais profundo podem ser totalmente lisas...
E enquanto houver chás no Chave, abraços de urso e baloiços de jardim... as minhas forças não vão faltar...


quinta-feira, 9 de outubro de 2008

I got wiring loose inside my head, I got books that I never ever read, I got secrets in my garden shed I got a scar where all my urges bled, I got people underneath my bed, I got a place where all my dreams are dead... Swim with me into your blackest eyes.

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Na segunda semana após tudo, continuo sem saber como me sentir... sinto uma dormência interior, como se me tivessem arrancado do coração a parte do "gostar", do "sentir". Vejo-te, umas vezes ao longe, outras vezes na mesma sala, mas é como simplesmente não te visse. Não por minha vontade, mas para que faças a tua vida como se tivesses saltado um ano, uma elipse na tua vida, já que na minha sinto que este ano não foi em vão...

Dou-te a maior prova do que sinto por ti ao magoar-me para que não te magoes mais...

terça-feira, 30 de setembro de 2008

Como uma daquelas bolas de penugem dente-de-leão, a minha vida era um aglomerado de sonhos frágeis. O núcleo desses sonhos, o que os ligava, aquilo que era comum a todos eles, eras tu. Desde o momento em que me disseste que nunca mais iríamos falar, o vento que levantaste na minha existência arrastou pelo ar os sonhos que eu tinha. Desfizeste o pouco que eu era. Ensinaste-me a voar mas largaste-me quando ainda não estava preparada para voar sozinha. E doeu, dói e há-de continuar sempre a doer enquanto não me deres uma explicação... Passei contigo o melhor ano da minha vida e não sei como és capaz de agora passar por mim como quem passa por uma árvore, de olhar através de mim como se eu não estivesse lá, de deitar fora um ano inteiro num só dia.

E eu odeio-me por não ser capaz de te odiar...

sábado, 27 de setembro de 2008


Quebrei os espelhos que tenho colados a mim. Azar? Azar é não ter um espelho que te mostre o meu verdadeiro interior...

domingo, 14 de setembro de 2008

O tempo não espera por mim!!

Quem vem do cemitério pela rua do antigo teatro, chegando ao largo onde estão as ruínas da igreja dos jesuítas, vira à direita, para a rua da estação do caminho de ferro, e segue sempre em frente, acompanhando a linha do comboio, até chegar a um barracão a que chamam museu e onde guardam as velhas locomotivas a vapor e as ferrugentas carruagens de bancos de madeira. Aí, mete pela rua onde não passam carros até chegar a um quiosque, daqueles redondos, frente ao qual, do lado esquerdo da rua, existe um cafezinho com esplanada onde ainda servem café de saco. Entra pelo café e sai pela outra porta, que dá para a rua do jardim. Contorna depois o lago dos cisnes, em direcção ao cruzamento com semáforos, e mete pela avenida do cinema, no sentido do novo bairro administrativo, até chegar a um arranha-céus acabado de construir. Aí, vira à direita para a rua que passa pelas piscinas recentemente inauguradas e, chegando ao centro comercial em construcção, aquele que dizem vir a ser o maior da Europa, com não-sei-quantas lojas e não-sei-quantos andares, enfia pela rua que ladeia os terrenos destinados ao futuro complexo desportivo no fim da qual encontra a maternidade...

sábado, 13 de setembro de 2008

Bem... Eu sei que não é obrigatório escrever aqui todos os dias... Mas por alguma razão que não sei explicar, tenho algo entalado na garganta, não é uma espinha mas também me faz doer... Acho que por aqui devo conseguir desabafar, se não, pode ser que o travesseiro seja de novo bom conselheiro.
Para a semana começa de novo a rotina de todo um semestre. Gente nova na faculdade. Matar as saudades dos que não vejo há umas férias inteiras. Mas há algo que não encaixa. Não sei se é a angústia de sentir que o tempo me foge junto com quem amo, saber que começa este semestre mas que rápido acaba e que isso me anda a fazer a cabeça em água... Não sei se é por não ver sorrisos onde eles deviam haver, ou porque esses sorrisos partem, ou porque chegam quando deviam ficar, se é por eu não os ver por estar concentrada nas minhas feridas. Não sei se é por sentir que chego a uma encruzilhada daqui a algum tempo, por ver que o caminho que agora percorro se vai transformando cada vez mais num caminho escuro que não quero percorrer, onde sempre fui levada com cuidado até ao mais alto de mim para me preparar para seguir sozinha...
Cada vez mais sinto que há forças que não sei nem quero entender, a empurarem-me para o fundo. E há uma força que me tenta puxar para cima quando não quero e acaba por se afundar comigo... e as minhas forças, as que uso para sobreviver, respirar, para me levantar todos os dias, para sorrir... essas têm vindo a faltar.

Porque eu sei que tens de ir embora, que a vida não te prenderia muito tempo por estas paragens, que és pássaro solto que eu prendi sem querer... Mas não te esqueças que somos todos responsáveis por aquilo que cativamos...

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Estava a ouvir Morrissey e ele disse que eras uma obra de arte.
Estou apaixonada pelos pixeis do meu pc quando tomam a forma do teu pensamento.
Haverá algo mais escuro que a escuridão?
Quando eu só tiver um dia de vida, depois de me despedir de toda a gente quero ficar nos teus braços para que o teu olhar seja a última lembrança que tenho do mundo...
O mundo é grande demais sem ti.
Sinto-me pequena...







O meu medo não é do futuro, mas de um futuro sem ti. Amo-te. E tu não sabes.

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Every single tear burns my skin as if it was an acid... and as an acid the tears I swallow are driving me to madness...
But I'll be strong...

Eu... se me quiserem conhecer minimamente...

Nao gosto de me sentir só. Tenho medo da solidão. Tenho medo de ficar sem amigos. Gostava de fazer uma viagem a Torremolinos e a Nova York. Dou conversa a gente chata. Tenho péssima memória para caras, assuntos e acontecimentos. Amo música e sei tocar teclados, clarinete e campainhas de porta. Cozinho bem (há quem diga...). Perco-me por gelado de manga. Sou muito gulosa. Gosto do frio, do calor, detesto chuva, adoro neve. Gosto de torrar ao sol e gosto de pessoas morenas. Sou romântica. Gosto de azul e de verde e de laranja, acho o laranja uma cor fantástica. Gosto de contrastes e cores fortes. Gosto de fotografia mas nao sou fotogénica. Adormeço rapidamente. Gosto de dormir, mas em demasia tambem não. Adoro acordar com música e beijos. Sonhadora já fui mais, mas depois de muito passear no mundo da lua e levar com alguns asteróides na cabeca, desci um bocado à terra para ver como as coisas estavam. Sou imaginativa e tenho espírito de aventura. Gosto da originalidade e faço os possiveis para fazer sempre coisas novas e diferentes. Sou pouco pontual, mas não gosto de chegar atrasada e tambem não gosto que as pessoas se atrasem. Ando sempre a correr de um lado para o outro e com stress. Sou minimamente poupada, mas encontro sempre algo onde gastar dinheiro. Gosto de comprar roupa, mas normalmente acabo por não usar. Adoro as minhas shalwar... Sou telemovelodependente e o meu telemóvel está sempre ligado, a nao ser quando fico sem bateria. Adoro coisas velhas, gosto de ir a feiras de antiguidades e afins. Gosto do bom gosto. Adoro arte surrealista. Adoro literatura, sou viciada em livros. Aprecio o passado, desde a pré-historia até hoje. Acho a realeza uma fachada, os políticos são uns falsos e o Jet7 uma merda. Tenho muito cuidado quando compro cds, mas prefiro fazer downloads, embora isso seja crime... Gosto de ir a concertos e festas trance. Adoro dançar como se ninguém estivesse a ver e mesmo sem ter voz para cantar faço-o. Não gosto de jogos de computador, mas perco-me com o Minesweeper. Gosto de fazer desporto... mas tenho preguica. Amo café e venero chá. Não tenho vícios mas sou uma mentirosa quando o digo. Gosto de estar sóbria, qando bebo a mais fico demasiado piegas e dou trela a gajos que não conheço, o que às vezes traz boas surpresas... Tenho medo de alturas e fobia a gafanhotos e balões. Não me sinto atraente mas há quem ache que sou... Aprecio gente com humor, fazem-me ficar bem disposta. Sou uma pessoa bem humorada. Falo pelos cotovelos, não me calo quando dizem para me calar. Raramente dou esmola, mas tenho pena dos sem abrigo que dormem na rua. Tenho alguma facilidade em pedir desculpas, peço desculpa por tudo e por nada mas também as exijo quando tenho razão. Sei reconhecer os meus erros. Guardo mágoas, mas não sou vingativa; prefiro as boas recordações. Detesto remédios, mas reconheco que fico melhor quando os tomo. As pessoas bonitas deixam-me nervosa. Prefiro conhecer pessoas normais e simples. O aspecto fisico não tem muita importancia para mim, a beleza está nos olhos de quem a vê, mas regalo-me com o que tenho visto... Gosto de ser surpreendida. Os mistérios irritam-me, sou supersticiosa. Acho os filmes de terror oriental o máximo para ver à noite antes de dormir, aprecio historias de arrepiar... Detesto gente que se arma em superior. Odeio convencidos. Não percebo nada de carros. mas adoro os Audi A4... Às vezes tenho vontade de dar pontapés a mim mesma. Rio muito. Faco tolices que fazem rir, mas tenho medo que me achem com a mania que sou engraçada. Gosto de ser doida, gosto de ficar doida com gente doida. Levo o dia a dia a brincar. Sou alegre, mas também sou triste. Devo ser bipolar. Para mim não existe felicidade, mas sim momentos de felicidade. Sempre acreditei no amor e na amizade apesar de muitas vezes parecer que estão contra mim. Amo Abrantes e mais agora depois de viver em Lisboa. Sou estudante de Comunicação Social, sonho trabalhar em televisão e rádio. O meu sonho era voltar a ser locutora de rádio e gostava de estagiar em Angola. Tenho muitos conhecidos e poucos amigos, mas os que tenho sao os melhores que se poderia ter. Saio pouco e só gosto de sair com quem me sinto bem. Não gosto de me sentir perdida com gente que não conheço. Odeio discotecas.

...Por aí...dá para fazer uma ideia...

quinta-feira, 4 de setembro de 2008


One inch of love is one inch of shadow. Love is the shadow that rippens the wine.

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

*suspiro*

domingo, 24 de agosto de 2008

Há locais pelos quais passamos "n" vezes e nunca nos apercebemos da sua importância. Depois, ao passarmos por lá com "aquela" pessoa, tudo muda, deixa de ser "um local" e passa a ser "um dos locais" onde se esteve juntos... Amanhã vou para o Alentejo e sei que a partir deste verão, aqueles lugares, a praia de Sines, S.Torpes, o Pessegueiro, o Castelo, a doca... nada será como era antes, tudo perdeu a inocência dos meus lugares de infância, onde brincava com a areia e pescava com o meu pai, para serem os lugares onde passeei com ele, onde estive com ele...
Tenho saudades dele, mas ele estará à minha espera, lá, no Alentejo...

Sentia tanta falta da tua voz... agora só sinto falta de ti por completo. Fazes-me falta. Fazes-me faltar a inspiração, fazes-me faltar a respiração. Preciso de ti. E tu não estás...

sábado, 23 de agosto de 2008

And the clock started ticking...












Tick tock



tick tock



tick tock



Closer to the end...


"Evitar a felicidade com medo que ela acabe, é o melhor meio de se ser infeliz"

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

La, vois, le saule s'incline dessus du ruisseau,
comme une personne qui se descend, criant pour l'amant.
Me rapelle d'automne, presse dans ton reverence,
je m'ai engagee a vous...









J'ai fait une promesse. La promesse que je ne te blesserai jamais comme j'ai été blessé. Je t'aime pour toujours.

terça-feira, 19 de agosto de 2008

Eu enchi uma folha com o teu nome,a única coisa luminosa de que me consigo lembrar.
















:')

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Dez.

Two holded hands makes ten.




dressed up to the eyes
it's a wonderful surprise
to see your shoes and your spirits rise
throwing out your frown
and just smiling at the sound
and as sleek as a shriek
spinning round and round
always take a big bite
it's such a gorgeous sight
to see you in the middle of the night
you can never get enough
enough of this stuff
it's friday
I'm in love

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Tuck me in beneath the blue, beneath the pain, beneath the rain, goodnight kiss for a child in time, swaying blade, my lullaby...

Dorme bem,onde quer que estejas... adormeço a imaginar-te a ouvir-te cantar ao meu ouvido. Devo estar a enlouquecer...

But then you would come home
And then we would make love
How can I just say no?
And I wonder
You came into my life like a thunder
But then you turned me down
And I wonder
You came into my life like a thunder
I thought my love was enough to make you smile

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Outro questionário...como ainda não postei nenhum...

Três coisas que me assustam:
1. Perder aqueles de quem gosto.
2. Gafanhotos, louva-a-deus, aranhas...
3. Aulas da Pitacas.

Três coisas que eu odeio:
1. Preconceito.
2. Estupidez natural.
3. Humanos em geral.

Três pessoas que me fazem rir:
1. Pedro.
2. Mafalda.
3. Dianinha.

Três coisas que eu amo fazer:
1. Estar com ele ^^
2. Sair com as amigas :)
3. Dançar!

Três coisas que eu não entendo:
1. Gente ignorante.
2. Porque é que o Super-Homem usa as cuecas em cima das calças.
3. Porque é que a China anda a aldrabar tudo nos J.O.

Três coisas em cima da minha mesa:
1. A chávena do chá.
2. O bloco de desenho.
3. Papelada.

Três coisas que eu estou fazendo agora:
1. Responder a este questionário.
2. Chat com pessoal do fórum.
3. Coçar a cara (não devia...)

Três coisas que eu quero fazer antes de morrer:
1. Viver em New York.
2. Entrevistar António de Lobo Antunes e o Dalai Lama.
3. Ir ao Green Tripping Camp, nos Açores.

Três coisas que eu sei fazer:
1. Malabares com fogo.
2. Capoeira.
3. Tirar macacos com os dedos dos pés (ok, nesta estava a gozar)...

Três maneiras de descrever minha personalidade:
1. Complicada.
2. Tenho dias.
3. Acho que vale a pena.

Três coisas que eu não consigo fazer:
1. Tirar macacos com os dedos dos pés...
2. Molho béchamel sem ficar nhanhoso.
3. O chuto-na-lua (quem quiser saber, google-it)

Três bandas/cantores que eu acho que você deveria ouvir:
1. The Cure!!!!!
2. Anathema!!!!!
3. The Beatles!!!!!

Três bandas/cantores que eu acho que você NUNCA deveria ouvir:
1. Emanuel.
2. Quim Barreiros.
3. Eu no chuveiro.

Três filmes que eu acho que você deveria assistir:
1. Butterfly Effect.
2. La Vita è Bella.
3. Schindler's List.

Três coisas que eu digo freqüentemente:
1. Tipo...
2. Oh que merda...
3. Oh Diana cala-te!!!

Três das minhas comidas favoritas:
1. Grelhados.
2. Crepes doces.
3. "Bifes Ultra-Máximos-Ninja-do-TC"

Três coisas que eu gostaria de aprender:
1. Japonês.
2. Entender os humanos.
3. Deejaying.

Três coisas que eu bebo regularmente:
1. Chá.
2. Café. Muito.
3. Coca-Cola.

terça-feira, 12 de agosto de 2008

Saudade é um pouco como a fome. Só passa quando se come a presença. Mas às vezes a saudade é tão profunda que a presença é pouco: quer-se absorver a outra pessoa toda. Essa vontade de um ser o outro para uma unificação inteira é um dos sentimentos mais urgentes que se tem na vida.



Clarice Lispector


sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Sabias?

There is nothing I need, except the function to breathe...











quinta-feira, 7 de agosto de 2008

Acho que ando a pensar demais no que não devo...

(01:19:36) [Adinatha]: Oh...mais vale ser pessimista e ter uma agradável surpresa se tudo correr bem, q ser optimista e dar uma grande queca
(01:19:39) [Adinatha]: *queda

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Esperaesperaesperaesperaesperaesperaesperaesperaespera

terça-feira, 5 de agosto de 2008

Dar a cara...

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

As vezes gostava de ter um superpoder que me permitisse, com um estalar de dedos, fazer felizes todos os que me rodeiam...

*clic*

















Nada...


domingo, 3 de agosto de 2008

Perguntas e respostas!

Descobri este joguinho num forum... e convido-vos a postarem tambem, com as vossas respostas!

1 . Qual foi o último livro que leste que achaste realmente inspirador, que recomendarias a quase toda a gente?
Cronicas do Passaro de Corda, de Haruki Murakami. Simplesmente apaixonante!!

2 . Que comida não suportas, que nunca serás capaz de tocar?
Um prato alentejano chamado "autenticos" de porco. Diga-se de passagem que os "autenticos" sao isso mesmo que estao a pensar...

3 . Alguma vez viste um filme de terror que te assustasse tanto que ficasses com medo do escuro? Não precisa de ser recente, pode ter sido quando eras pequena. Qual foi o filme?
Nope... Sempre fui cinematograficamente corajosa!

4 . Há alguma canção que te faça dançar sempre que a ouves? Que te faça bater os pés e trauteá-la em público?
Tantas, mas tantas...

5 . Tatuagens: sim ou não? Tens alguma? Conta!
Não, mas gostava de fazer.

6 . Quando foi a última vez que te riste tanto, do género doer a barriga? Por causa de quê?
Epah... acho que foi com uma bacorada qualquer do meu irmao, do tipo "deu-me um amarelisma"!

7 . Vai até à tua colecção de música. Músicas que não ouves há anos. Escolhe uma e fala acerca dela. É tão boa (ou má) como te recordas?
Ha minutos atras ouvi a Dark Chest of Wonders, dos Nightwish. Ainda me arrepia tanto como da primeira vez!

8 . Ainda dormes com um animal de peluche?
Ainda!! E tem nome, mas nao o digo...

Quero apenas cinco coisas...
Primeiro é o amor sem fim,
A segunda é ver o outono,
A terceira é o grave inverno,
Em quarto lugar o verão.
A quinta coisa são teus olhos,
Não quero dormir sem teus olhos.
Não quero ser sem que me olhes.
Abro mão da primavera para que continues me olhando.

Pablo Neruda

sábado, 2 de agosto de 2008

Nunca quis saber, nunca quis acreditar que tu irias partir, não podias cá ficar. Nunca quis escutar, muito menos quis ouvir o teu silêncio que avisava a intenção de não voltar. Podes crer, bem que me disseram para nunca me agarrar a uma pessoa, a um lugar, podes crer. Se um homem nunca chora para que servem estes olhos, se não podem mais te ver?
Queria ver, queria saber o que fazias tu que estás aqui a observar?
Estás a ver, estás a perceber? Pode ser que um dia a gente volte a se encontrar... Agora embora, agora sem demora, deixa-me ficar aqui sozinho para pensar, embora agora que a minha alma chora, como disse alguém,

Vou-me perder para me encontrar...

Win or lose, sink or swim
One thing is certain, we'll never give in
Side by side, hand in hand
We all stand together

Play the Game, fight the fight
But what's the point on a beautiful night?
Arm in arm, hand in hand
We All Stand Together

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Sou eu e tu, movendo-nos à velocidade da luz até à eternidade! Hoje é a noite! Sente a melodia e o ritmo da música a tua volta! Vou-te levar para lá! Não tenhas medo! Estou aqui! Agarra a minha mão e vem comigo... Porque só temos uma noite...

quinta-feira, 31 de julho de 2008

O que me fizeste sentir cravou-se em mim como em pedra.
O que sentiste, em ti, como em areia, como na praia onde ficou aquilo que nunca tive, aquilo que julgava que tinhamos...

Foto por Liliano Pucarinho

segunda-feira, 28 de julho de 2008

Só contigo o silêncio sabe bem.

domingo, 27 de julho de 2008

Um copo partido está sempre vazio. Mas guarda memórias nas gotas que espalham os vidros.
Lambe-as

segunda-feira, 14 de julho de 2008

AS COISAS BOAS DA VIDA

1. Apaixonar-se.
2. Rir tanto até que as faces doam e a barriga pareça rebentar.
3. Um chuveiro quente.
4. Um supermercado sem filas.
5. Um olhar especial daquela pessoa.
6. Receber correio.
7. Conduzir numa estrada linda.
8. Ouvir a nossa música preferida no rádio.
9. Ficar na cama a ouvir a chuva cair lá fora.
10. Toalhas quentes acabadas de serem brunidas.
11. Encontrar a camisola que se quer em saldo a metade do preço.
12. Batido de chocolate (ou baunilha ou morango)... Ou um gelado da Liz!
13. Uma sms de alguém de quem já não ouvíamos falar há séculos.
14. Um banho de espuma.
15. Rir baixinho. Ou às gargalhadas. Rir.
16. Uma boa conversa.
17. A praia.
18. Encontrar uma nota de 20 euros no casaco pendurado desde o último inverno.
19. Rir-se de si mesmo.
20. Chamadas à meia noite que duram horas.
21. Correr entre os jactos de água de um aspersor.
22. Rir por nenhuma razão especial.
23. Alguem que te dizer que gosta de ti.
24. Rir de uma anedota que vem à memória.
25. Amigos. Amigos. Amigos.
26. Ouvir acidentalmente alguém dizer bem de nós.
27. Acordar antes do despertador e verificar que ainda há algumas horas para continuar a dormir.
28. O primeiro beijo. São todos o primeiro.
29. Fazer novos amigos ou passar o tempo com os velhos.
30. Brincar com um cachorrinho ou um gatinho.
31. Haver alguém a mexer-te carinhosamente no cabelo.
32. Belos sonhos.
33. Chocolate quente.
34. Fazer-se à estrada com amigos.
35. Balancear-se num baloiço.
36. Embrulhar presentes sob a árvore de Natal comendo chocolates e bebendo chá bem quente.
37. Letras de canções na capa do CD para podermos cantá-las sem nos sentirmos estúpidos.
38. Ir a um bom concerto em bpa companhia.
39. Trocar um olhar com um belo desconhecido.
40. Ganhar um jogo renhido.
41. Fazer bolachas de chocolate.
42. Receber de amigos biscoitos feitos em casa.
43. Passar tempo com amigos íntimos.
44. Ver o sorriso e ouvir as gargalhadas dos amigos.
45. Andar de mão dada com quem gostamos.
46. Encontrar por acaso um velho amigo e ver que algumas coisas (boas ou más) nunca mudam.
47. Patinar sem cair.
48.Observar o contentamento de alguém que está a abrir um presente que lhe ofereceste.
49. Ver o nascer do sol.
50. Levantar-se da cama todas as manhãs e agradecer outro belo dia.















Já repararam que maior parte das coisas da lista... não fazemos sozinhos? :)

sábado, 12 de julho de 2008

Quando vais, levas contigo metade de mim. E ainda bem.





Assim tenho certeza que voltas.

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Eu vim de outra esfera tão só como escura...
















Eu dei-me ao teu dia na espera de uma luz....












São 3 horas e 33 minutos. Que raio de hora, tarde como tudo e ainda repetitiva. O sono tarda em chegar; para passar o tempo, vejo como é tão doentio o ser humano. De todas as maneiras. Um homem com quem não tenho nada a ver, nem talvez nunca quisesse ter - e infelizmente os meus momentos de fraqueza foram demasiados - desafia-me para eu ir à porta de minha casa. Conversar, diz ele. Apenas um exemplo entre muitos. Caixa de e-mail. Insistem em me enviar mails de publicidade a sites pouco recomendáveis a quem queira manter a sua saúde sexual-mental intocável. Cambada de doentes... Nem sequer na típica incursão nocturna pela cozinha consigo desligar-me. Pego numa gelatina pré-fabricada, pré-mastigada, pré-digerida, abrir a embalagem, comer e deitar fora, ecoponto amarelo; cheia de E's e aditivos. Será que se comer muita gelatina fico mutante, ganho cor amarela? Os chineses comeram muita gelatina. Os pensamentos voam mais rápido que a velocidade de compreensão. Penso mais rápido do que penso? Volto ao computador. Mais um mail. Visita site de tal para veres mais filmes snuff como este. Imagens bloqueadas para sua protecção. Boa, vou conseguir dormir esta noite. Falo deste estado frenético a alguém de quem nem sei o nome. Mete mais meio e isso passa. Andas a meter os ácidos errados. Não me meto nisso, quero manter a minha saúde mental por mais uns anos. Rio-me quando me apercebo que já não resta muito. A minha mãe manda-me calar por me rir a estas horas,por não estar a dormir. Desligo. Suspiro. Respiro fundo. E agradeço por me teres mostrado alguma normalidade na vida. Shut off. Cama. São 3 horas e 44 minutos. Continua repetitivo, este relógio, esta vida.

sexta-feira, 4 de julho de 2008

Acordei com uma ansiedade estranha... E continua, talvez seja aquela ansiedade que me dá sempre que o revejo depois de alguns dias (mesmo que seja só um) em casa, ou quando ele vai a casa por pouco tempo que seja... Porque me faz lembrar que se vai embora, um dia. Não deveria pensar nisto, e apenas pensar em aproveitar o tempo que temos...
Mas quem é que diz isso ao meu coração?









Como é que se prende alguém que não quer ser preso? Ou que está preso e não quer admiti-lo?


Tu queres sorrir como o Steve McQueen
Falar como o Marlon Brando
E o teu olhar lembra-me o Valentino
Do Fred Astaire queres ter os pés
Cantar como o Sinatra
E eu não chego a saber quem tu és...

terça-feira, 1 de julho de 2008

segunda-feira, 30 de junho de 2008

єu sєι quє иão tєиho ρяoρяιαмєиtє uм αя ƒяágιl, иєм сostuмo dєιtαя α сαьєçα иos oмьяos dos outяos є сhoяαя.

Só мєsмo às vєzєs, є сoм "outяos" мuιto єsρєсιαιs.

єu sєι quє иαsсι сoм uм αя сoиƒιαиtє, quє quαsє иuисα яєƒlєсtє o ιиtєяιoя, є quє o ƒαсto dє olhαя ραяα α ƒяєиtє є иão ραяα ьαιxo, αρєlιdα-мє, мuιtαs vєzєs, dє αяяogαиtє.

єu sєι quє olho os outяos dιяєсtαмєиtє иos olhos, ρoяquє gosto dє єисαяαя α αlмα ρoя dєtяás dє сαdα sєя quє єисoиtяo иєstαs ραssαgєиs.

Quє ρяєƒιяo яєsρoиsαьιlιzαя-мє ρєlα мιиhα ρяóρяια vιdα, αιиdα quє ρoя vєzєs sєjα ιмєиsαмєиtє doloяoso.

мαs quαиdo dóι, quαиdo мє ρєясo иo мєιo dαs sιtuαçõєs, quαиdo иão мє αρєtєсє lєvαиtαя dα єsραdα є ιя єм ƒяєиtє, є мє dιzєм "TU SUρєяαS TUdO", há uм soяяιso αмαяgo иo мєu sєя.

Uмα ιяoиια ρoя dєtяás dєstα tяαмα,uм сαstєlo quє єu сoиstяuí є quє иão ραяєсє dєstяuívєl.

єu иão suρєяo tudo.
єu tєиho мuιtαs vєzєs мєdo, αсho quє иão єstou à αltuяα dos αсoиtєсιмєиtos.

єu иєм sємρяє sєι o quє quєяo.

segunda-feira, 23 de junho de 2008

Abraça-me esta noite, mesmo que não tenhas vontade. Prefiro que me mintas...

The more you like me, the more you break me...

quinta-feira, 12 de junho de 2008

We go together like peas and carrots.
- Forrest Gump

quarta-feira, 11 de junho de 2008

Despida de medos cantaria assim cores de saudade perdidas por ti...

segunda-feira, 2 de junho de 2008

Gosto-te tanto... Y

quinta-feira, 29 de maio de 2008

Dói-me ser quem sou, um lutador que não soube lutar. Minha alma a sós comigo, o coração tanto querendo amar. Se foi amor ou a vida que atrás de mim eu deixei, foi querer amar-te, se esqueci já lembrei...

terça-feira, 27 de maio de 2008

I'll be your water bathing you clean
The liquid piece
I'll be your ether you'll breathe me in
You won't release
Well I've seen you suffer
I've seen you cry the whole night through
So I'll be your water bathing you clean
Liquid blue







I'll be your father, I'll be your mother, I'll be your lover, I'll be yours...



Yours...



domingo, 25 de maio de 2008

Falar destas coisas é sempre tão complicado... Por aqui, neste cantinho, consigo dizer tudo o que me vai na alma, mas quando chega mesmo a altura de dizer realmente o que é preciso, mesmo preciso, a roçar a urgência... as palavras embargam-se e sai apenas um fio de voz.
E acho que cada vez mais vai chegando a altura de dizer mesmo o que tenho a dizer. Passaram já muitos meses em que calei o que sentia verdadeiramente, por medo de te afastar e em que respondia sempre que não quando me perguntavas se eu estava apaixonada ou se estava a gostar "mais do que deveria" de ti. Qualquer dia, digo a resposta que eu quero dizer e tu talvez não queiras ouvir... ou talvez queiras e tenhas medo de lidar com isso...
Sinceramente já não sei. Porque eu gosto de ti, percebes? E quando o digo, digo mesmo com o coração; uma vez disseste-me que dizias que gostavas de mim mas era aquele gostar de amigo e não me querias induzir em erro, lembras-te? Pois eu nunca esqueci, foi numa noite em que para mim o mundo pareceu ruir, certamente não te lembras, como não te lembrarás de muitas outras coisas que eu nunca esqueci. E não acredito que gostes de mim como se gosta de uma amiga como todas as outras.
Entendes o que quero dizer? Pensa bem: quantas vezes paraste na rua depois de passar alguém, só porque essa pessoa tinha o mesmo perfume que eu? Quantas vezes paraste o que estavas a fazer porque na rádio ou assim passava uma música que uma única vez ouvimos juntos?
Se eu te dissesse as vezes que isso me acontece, ficavas logo a saber o que tenho para te dizer...

sábado, 24 de maio de 2008

he couldn't believe how easy it was...
he put the gun into his face...
bang

(so much blood from such a tiny little hole)

sexta-feira, 23 de maio de 2008

Cause it's so hard to live with all this memories and no support from your arms...









[inserir imagem conforme o estado de espírito]










Sinto-me cinzenta hoje.

terça-feira, 20 de maio de 2008

AAAAAAAAAAAAAGH!!!!!!!!!
Tão depressa quero que a semana acabe rápido, como estou a ver o tempo a escassear. Tenho amanhã frequência a alemão e a unica coisa que sei dizer nessa língua é "Scheisse"... para não falar que o trabalho de inglês está a correr pior do que eu julgava... aaai..........Tirem-me deste filme :x

sábado, 17 de maio de 2008

Fala comigo na palavra falsa da fantasia
Chovem amigos na festa da praça no meio dia.
É certo que as flores parecem maiores que toda a virtude do mundo:
Com um pouco de sexo ou muita poesia, ainda me sinto profundo...
Se este mundo fosse feito para ser doce eu seria doce fosse eu quem fosse

sexta-feira, 16 de maio de 2008

Cannot wait...

Está previsto para o verão de 2008 o lançamento daquele que é o filme mais esperado (ou não...) pelos amantes da anime, mais especificamente de Dragon Ball Z. A longa metragem, de imagem real, contará com a presença de Justin Chatwin (A Guerra dos Mundos e Lost) no papel de Son Gokou e de James Marsters (Buffy, Caçadora de Vampiros) no papel de Picollo,entre outros. Muita especulação ronda este filme, com vários fake trailers já a rodar no youtube. Porém, as primeiras fotos já vão aparecendo.

quinta-feira, 15 de maio de 2008

"Os estúpidos fazem o mal sem o saberem"
Eclesiastes 4, 17

quarta-feira, 14 de maio de 2008

Ardo e enquanto ardo vem um e outro ser com tochas para me queimar. Uma nova Inquisiçao, o Santo Ofício do que me mantém de pé, o suplício do meu gostar de mim. Ah, mas sim!, não conhecem a fénix...

E das cinzas hei-de renascer, mais forte, mais brilhante e quem sairá queimado desta vez não serei eu... Pois se por um lado a fragilidade me caracteziza, também a capacidade de auto-regeneração é algo que me desenha...




*I just need another map of your head*

terça-feira, 13 de maio de 2008

Pela primeira vez vou fazer uma resposta aos comentários, em forma de post...
Não posso criar pilares muito sólidos. É uma fraqueza minha. Por mais que tente, os meus pilares são apenas areia, que o vento e o mar vão arrastando por mais que eu tente impedir. A autoestima é um dos pilares de areia que tento reconstruir por mim e com umas ajudas de vez em quando. Mas quando o vento e o mar se juntam tornam-se ainda mais destrutivos do que aquilo que são solitariamente.
Outro aspecto que me anda a corromper é a desconfiança... Cada vez mais tenho a certeza que só posso confiar em mim mesmo que confie cegamente em algumas afortunadas pessoas...
Outra coisa... Deixa-me em paz, 'tá? Já te pedi para não te meteres.

segunda-feira, 12 de maio de 2008

Alguém me empresta umas g.s de autoestima??
Música: Mazgani Bring Your Love

sexta-feira, 9 de maio de 2008

Y morirme contigo si te matas
Y matarme contigo si te mueres
Porque el amor cuando no muere, mata
Porque amores que matan nunca mueren

quinta-feira, 8 de maio de 2008

É qualquer coisa como o anúncio da IKEA... Tens a casa cheia de recordações, memórias, enfim, tralhas. E o mais importante só está à espera de espaço para entrar...

Gosto de ti :)

Estava vazia... agora já não :)
Música: Aemen, Time

quarta-feira, 7 de maio de 2008

De vez em quando desapareces, evaporas-te, e eu tento procurar-te e tu não deixas. Porque és assim, esquivo e volátil? Porque não te deixas prender, se estas cordas que nos prendem deixam marca mas não magoam?

Acordei com uma música na cabeça e foi esta:


You could be my unintended choice
To live my life extended
You could be the one i'll always love

You could be the one who listens to my deepest inquisitions
You could be the one i'll always love

I'll be there as soon as i can
But i'm busy
Mending broken
Pieces of the life i had before

First there was the one who challenged
All my dreams and all my balance
She could never be as good as you

You could be my unintended choice
To live my life extended
You should be the one i'll always love

I'll be there as soon as i can
But i'm busy mending broken
Pieces of the life i had before

Muse Unintended

segunda-feira, 5 de maio de 2008

Sempre que atinjo algum patamar mais ou menos estável na vida, aparece sempre alguém do passado para destabilizar. Quero dizer, não destabiliza do modo que essa pessoa queria, mas deixa-me a questionar se eu sou burra ao ponto de me deixar ir abaixo por estar a magoar alguém que me magoou tanto...

As flechas inimigas são cada vez mais. Mas nem que eu as enfrente de corpo nu, a batalha será ganha.

(Às vezes inconscientemente, hipnoticamente, dizemos o que nos vai na alma. Porque não o dizes? Quero ouvir-te...)

sexta-feira, 2 de maio de 2008

1906-2008

"Eu produzi a substância como um remédio. Não é minha culpa se as pessoas abusavam dele."

-Albert Hoffmann acerca da Dietilamina do Ácido Lisérgico (LSD)


Acho que hoje me levantei e deixei lá a alma...

terça-feira, 29 de abril de 2008

Às vezes penso que o que me falta, a única coisa que me falta na vida, é confiança. Maior parte das vezes não confio nem em mim, nem nos outros, mesmo naqueles em que deveria confiar... Enfim, podia agora dizer aquela frase tão cliché "foi a vida que me tornou assim", o que não deixa de ser verdade; o mundo molda-nos a seu bel-prazer sem sequer nos perguntar se querermos. A verdade é que já tive mais autoconfiança e já confiei mais nos outros. O que me levou a isto não sei, de todo. Mas hei-de um dia saber... Já tive mais confiança no que sentia e no que os outros sentiam por mim. Atenção - há vários tipos de sentimento... e confundir as coisas é meio caminho andado para nos magoarmos.

quinta-feira, 24 de abril de 2008

Quando o sol for som na ribeira
Quando a paixão der cegueira
Quando o amor não der mais rasteira
Serei feliz com toda certeza
Me curvo a esse olhar de visgueira
Lhe dou uma flor do pé da roseira
E esse olhar de muita nobreza...






Gosto de ti:)

quarta-feira, 23 de abril de 2008

Follow me, I'm falling, follow me...

terça-feira, 22 de abril de 2008

Acredita... andas a brincar com o fogo...

segunda-feira, 21 de abril de 2008

Há gente que não entende ou não quer entender... Que me importa o que pensas, o que sinto não se altera! És livre de pensar o que quiseres, mas uma coisa te garanto: Nada do que me possas dizer, nada que possas dizer-lhe ou nada do que possas sequer tentar fazer, nada vai mudar o que sinto. Não percebes? Faço-te um desenho? Gosto dele+um dia de cada vez. Continuas sem entender? Então vai afundar-te no teu mundinho e não te metas no meu que é meu.

sábado, 19 de abril de 2008

Do not stand at my grave and weep,
I am not there... I do not sleep.
I am the thousand winds that blow...
I am the diamond glints on snow...
I am the sunlight on ripened grain...
I am the gentle autumn rain.
When you waken in the morning's hush,
I am the swift uplifting rush
Of gentle birds in circling flight...
I am the soft star that shines at night.
Do not stand at my grave and cry—
I am not there... I do not die...

Hug.me.till.you.drug.me.honey.kiss.me.till.I'm.in.a.coma.
hug.me.honey.snuggly.bunny.love.is.as.good.as.soma.









Longe...


Quero quer voltes depressa, ouviste? Depressa, que não consigo respirar. Volta.



Ouvindo: Pain Eleanor Rigby
Letra: Tiamat Love is As Good As Soma
Mood: Close to the edge...

sexta-feira, 18 de abril de 2008


Ventos e marés vão fazer o sol naufragar
Na palma da mão que o mar não soube ler
E se tu não és esse sol que me quer queimar
Não verás então o mar que tento ser




Por ter visto o mar
Num olhar de quem nunca o viu,
Por ter ido atrás de uns olhos de maré
...

quinta-feira, 17 de abril de 2008

Lembram-se quando aqui postei umas verdades acerca da faculdade? Pois descobri umas verdades acerca de quem já passou por este tempo maravilhoso (cof, cof...). Afinal bem me quer parecer que mudamos mais depois do que durante...

1-Fazer sexo numa cama de solteiro é um absurdo;


2-Há mais comida do que cerveja no teu frigorífico;

3-6 da manhã é a hora a k acordas, e não a que te deitas;
(Ultimamente deitar-me às seis da manhã nem é por ir para a borga. Antes fosse!)

4-Vais ouvir a tua música preferida num elevador;
(Só se for com a evolução da música de elevador...)

5-Andas com um guarda-chuva e dás maior importância à previsão do tempo;
(Ou seja, estou mesmo a ficar velha)

6-As tuas férias caem de 130 dias para 25 dias por ano;
(Agora já são poucas...)

7-Umas calças de ganga e uma t-shirt já não são consideradas roupa decente;
(Ora assim conclui-se que o Davidinho ainda anda na universidade?)

8-És tu que chamas a polícia porque os teus vizinhos adolescentes não sabem baixar o volume da música;

9-Já não sabes a que horas os bares fecham;
(Sejam que horas forem...é sempre cedo demais)

10-Dormir no sofá dá uma terrivel dor de costas;

11-Já não dormes à tarde durante a semana;

12-Já n vais à farmácia comprar preservativos ou testes de gravidez, mas sim medicamentos para as dores de cabeça;

13-Comes o pequeno-almoço na hora certa;

14-Em + de 90% do tempo que passas em frente a um pc estás realmente a trabalhar;

15-Já não bebes em casa antes de sair para economizar dinheiro para as noitadas;




Bem... acho que grande parte das realidades daqui são dogmáticas...mas outras..LOL acho que me vou imaginar sempre de calças de ganga e t-shirt"...
Só para fugir à cena da cama de solteiro xD

Sabem quando vamos costruindo as coisas aos pouquinhos, carregando um nada de cada vez (mas que pesa como o raio) às costas? Quando vemos todos os dias aquilo que construimos ficar cada vez maior, e ganhamos a esperança de um dia alcançarmos o ar? Quando nos esforçamos, suamos, saímos a perder mas ainda assim sabemos que vale a pena?
Sabem.
E quando um terramoto, ou melhor...uma série de pequenas réplicas, que todas juntas fazem muito, ameaçam deitar tudo abaixo, deitar por terra tudo o que já foi feito? Tenho os meus alicerces, que me ajudam a construir tudo de novo...mas por vezes não é suficiente. Por vezes a construção está minada mesmo a partir de dentro.
Se há ditado que começo a ver que realmente tem razão de ser é "amigos, amigos, negócios à parte". Cada vez mais.
Ando tão cansada que ontem fui literalmente a dormir para casa... a pé. Acordei assarapantada às oito da manhã porque tinha adormecido num sítio e acordado noutro. E pelo meio fui a pé para casa. E uma certa professora que tenho, hoje deve ter deixado o cérebro em casa para poder pôr a pança dentro do carro, porque, além do trabalho final (de grupo, não é lindo?) ainda nos manda outro trabalho (também de grupo, viva!!!) para segunda feira. O amor. Marta, gosto de ti porra, casa comigo merda!!!
Por estas e por outras, ando com isto pelos cabelos...
Para a semana vou andar, para juntar ao naipe de coisada para fazer, feita barata ainda mais tonta a tratar do festival de tunas... mas isso pronto, chamem-me parva mas pela tuna até deixo de comer para não chegar atrasada aos ensaios...
Mas olha...paciência. Fui eu que escolhi esta vida, não foi? Enquanto dobrar e não quebrar, chego para tudo. O pior é que há [EM mode on] linhas de ruptura e zonas de concentração de forças que ameaçam toda a estrutura [EM mode off] e quando isto quebrar, quebra para todos. "Ad augusta per angusta"... por veredas estreitas a lugar elevados. Mas e que posso eu fazer se as veredas são mais estreitas que eu?

terça-feira, 15 de abril de 2008

Through every forest, above the trees.
Within my stomach, scraped
off my knees.
I drink the honey inside your hive.








You are the reason I stay alive.

Já passaram seis meses desde aquela noite em que me deixaste em casa com toda a esperança do mundo... seis meses em que a minha vida se tornou em algo que vale a pena existir. Não por ti, mas por me teres feito ver as coisas. Obrigada.

E se um dia te fores embora, que eu sei que vais... nunca te esqueças de quem te amou como se o amanhã não existisse, alguém que te trará sempre debaixo da pele.

Adoro-te.

domingo, 13 de abril de 2008

sábado, 12 de abril de 2008

"...enquanto não alcances não descanses, de nenhum fruto queiras só metade."
Miguel Torga

quinta-feira, 10 de abril de 2008

IX fESTA, Cidade de Abrantes

As Tunas estão de regresso à Cidade Florida.



É já nos dias 24, 25 e 26 de Abril que se vai realizar a nona edição do fESTA, Cidade de Abrantes, no Cine-Teatro S. Pedro.

Vão estar presentes as seguintes tunas:

Tunas a concurso:
Instituna
Real Tuna Infantina
Tuna Médica de Lisboa
Vicentuna

Extra-concurso:
Grupo de Tunos de Leiria
ESTATUNA (Tuna anfitriã)






Já agora...já viram a Visão de 10 de Abril?? ;)

quarta-feira, 9 de abril de 2008

Actores Despedidos

Companhia Teatral do Chiado despede injustamente e de forma escandalosa o elenco de 'A Bíblia: Toda a Palavra de Deus (Sintetizada)'

Vimos por este meio, informar/denunciar a situação levada a cabo pela Companhia Teatral do Chiado em relação aos actores João Craveiro, Paulo Duarte Ribeiro e Tobias Monteiro.

Estes três actores participavam em duas peças da dita Companhia: 'A Bíblia: Toda a Palavra de Deus (Sintetizada)', em cena desde Setembro de 2007, e dois deles em ' As Vampiras Lésbicas de Sodoma', em cena desde Abril de 2006. Ambas sempre esgotadas e com bastante êxito, como é do conhecimento público.

Estes três actores trabalhavam com recibos verdes e sem contrato, apenas com profissionalismo e boa fé das duas partes, como já é normal no meio artístico e preferencialmente no meio teatral português. Importa salientar que, com a promessa de que depois da estreia da peça 'A Bíblia'os actores seriam pagos com um salário compatível com a sua função, os mesmos aceitaram fazer os ensaios por um preço simbólico.

O prometido acerto salarial só foi cumprido dois meses depois da estreia (no mês de Novembro ). Mesmo assim os actores continuaram a exercer a sua função. Para além disso, foi acordado com a Companhia e com os actores, o pagamento das digressões à parte, como é procedimento normal na maior parte das Companhias de Teatro Profissionais em Portugal . No entanto e num revés repentino a Companhia Teatral do Chiado informou os actores de que não era politica da mesma o pagamento extra por digressões. Sendo os actores convidados e não tendo qualquer contrato com a companhia insistiram no pagamento das mesmas , após uma proposta embaraçosa de remuneração e de novas negociações foi acordado, mais uma vez , um valor simbólico .

Apesar de serem parte importante e fundamental dos espectáculos, os actores descobriram recentemente que o director desta Companhia, Juvenal Garcês, se encontrava a ensaiar outros três actores, em segredo e à revelia dos primeiros, com o intuito de os substituir. Tudo isto feito em sigilo e apoiado pelo resto dos membros da Companhia bem como pelos três actores substitutos.

Importa referir que a peça 'A Bíblia: Toda a Palavra de Deus (Sintetizada)', tem adaptação, dramaturgia, música, letras e coreografia originais dos três actores que, mesmo sem serem remunerados por esse trabalho, continuaram sempre, com empenho e profissionalismo, a executar as tarefas com as quais se comprometeram.

Ao descobrirem a situação, os três actores decidiram fazer valer os seus direitos e cancelaram a cedência de utilização da adaptação e dramaturgia, obrigando a Companhia Teatral do Chiado a negociar uma nova cedência.

Como retaliação a Companhia despediu os actores/co-autores por e-mail recusando-se o próprio director a reunir-se com os mesmos.

Esta informação serve para alertar e tornar pública uma situação de injustiça laboral e de total desrespeito por estes profissionais de Teatro. Esperamos que também sirva para esclarecer e mostrar como vai a impunidade no Teatro em Portugal.

Agradecemos que esta notícia seja tida em conta nos meios de comunicação social e como tal divulgada!

P'los actores,

João Craveiro, Paulo Duarte Ribeiro e Tobias Monteiro.